fbpx

Transformação Digital e Reinvenção do Varejo

Mauricio Bastos, diretor-executivo de transformação digital da Arezzo&Co., levou ao evento “Praxis Summit: Transformação Digital no Franchising”, o case do grupo que faturou R$ 1,9bi em 2018, com 6 marcas, sendo que o E-commerce já representa 10% da receita. A empresa multimarca é focada em bolsas e calçados, mas atua como plataforma de marcas com diferentes posicionamentos e caminha para 700 pontos de venda. Há um ano, formou um departamento de Transformação Digital. 

“No processo de transformação digital e construção de visão de futuro, o design organizacional é uma das peças mais importantes. A maneira como você estrutura os times, a correlação entre os departamentos, é um fator chave de sucesso”, explicou Maurício durante o Praxis Summit. 

Ele conta que a jornada da transformação digital é algo bem maior que o e-commerce e que a empresa entendeu que algumas áreas necessariamente precisavam ter uma direção única, e setores que precisavam andar de mãos dadas, como E-commerce e Tecnologia da Informação, que precisam caminhar para o mesmo lugar. Assim, em maio de 2018 construiu uma estrutura nova, o departamento de Transformação Digital, que integra as áreas: Omni Commerce, Tecnologia, Inovação, e Valorizza (CRM).  

“Há muito tempo, chamamos a área de E-commerce de omni commerce, de “omni”,  pra nunca esquecer  que o objetivo é fortalecer o ecossistema e não simplesmente vender mais online num canal isolado”. 

Entre vários insights e experiências compartilhadas, explicou que às vezes é preciso dar um passo para trás e fazer perguntas óbvias, para encontrar as respostas que irão direcionar todo o negócio, como: Para onde vamos? Por que? Como vamos? E quão rápido?

Se uma empresa quer se transformar, ressaltou, precisa ter uma causa para fazer isso, um propósito. A questão do modelo de trabalho, como a criação de novos departamentos, parcerias, e o desenvolvimento de times ágeis, fará toda a diferença. E saber responder qual o volume de investimento, bem como se será preciso uma jornada mais rápida ou por etapas. 

No caso da Arezzo, a empresa decidiu que, embora não seria uma empresa de novas tecnologias, gostaria de ser uma plataforma, com experiência omnichannel, que integra canais, com operações cada vez mais importantes fora do Brasil e experiência de marca cada vez mais personalizada. Saber para onde estão caminhando foi algo que direcionou os esforços para três pilares principais: Digitalizar os negócios e operações; integrar canais; e criar novos negócios digitais. Isso por meio de sistemas e soluções que permitam trabalhar globalmente, e com simplificação. 

“O maior motivo pelo qual as empresas não vão conseguir fazer a sua transformação digital é porque não conseguirão implementar com êxito a cultura digital na companhia. O sistema tira meu sono, mas precisamos falar de cultura de inovação, o ambiente para que essa casa pare de pé”. 

Quer saber mais sobre este assunto?

 Praxis Summit: Transformação Digital no Franchising.https://conteudos.praxisbusiness.com.br/e-book-praxis-summit